Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.

terça-feira, 9 de junho de 2015

Onde está o dinheiro?

Esperei durante todo o dia de ontem (8) uma manifestação do Ministério Público do Estado do Acre, com relação à matéria exibida no programa Fantástico, da Rede Globo, no último domingo, sobre a farra com o dinheiro público que vem ocorrendo, segundo a reportagem, nas Assembleias Legislativas de todo o país  no pagamento de servidores fantasmas, diárias e passagens.

Recentemente, o site ac24horas publicou uma matéria que mostra gastos pela Câmara Municipal de Rio Branco, em 2014, de quase meio milhão de reais com o pagamento de diárias e passagens para vereadores e servidores. Hoje (9), o site exibe outra matéria relacionada à mesma rubrica, desta vez, com uma denuncia feita pelo promotor de Acrelândia, que abriu um procedimento investigatório e chegou à conclusão de que o pagamento de R$ 80 mil com diárias para 09 vereadores foi irregular. Violou a moralidade e a publicidade, princípios constitucionais da gestão pública.

Por aqui, nem o Tribunal de Contas se manifestou.

Com todos fazendo o que bem entendem, os eleitos usam o dinheiro dos impostos daqueles que o elegeram, contrariando a moralidade, as leis, a própria democracia abalada pela atitude cada vez mais audaciosa de corruptos que se vestem de paletó.

O exemplo de afronta à Justiça no Acre é tão grande que até agora, nem o governo do Acre, nem a Assembleia Legislativa e muito menos as prefeituras, se adequaram em sua totalidade à Lei de Acesso a informação. Pior, as ações por improbidade administrativa relacionadas aos Portais de Transparência, caducam nas instâncias do Judiciário.

Um ambiente de declínio que parece ter contaminado o Brasil de cima para baixo ou de baixo para cima, como queiram. Somente este ano, nós, pobres mortais, pagamos mais de 900 bilhões em tributos. 

Vendo tamanha presepada com o dinheiro público, talvez se explique o porque da falta de recursos para a educação, saúde, infraestrutura e tantas outras prioridades.


Para onde estar indo esse dinheiro?
Com a palavra os órgãos controladores.

Nenhum comentário: