Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Chico Pereira, Manoel Suíca e Adalberto Martins deixam coletivamente o partido dos trabalhadores no Acre


“É um partido com pouca renovação” disse ontem, ao senador Gladson Cameli e o deputado federal Major Rocha, Chico Pereira, fundador do Partido dos Trabalhadores no Acre.

A expressão é um adeus ao PT, partido que Pereira ajudou a fundar. Durante agenda de pré-campanha de Gladson Cameli em Porto Acre, no último sábado, 26, Pereira pediu para sentar e na mesa do setor comercial da Vila do V, hipotecar total apoio a Aliança liderada pelo progressista.

A prosa foi a primeira conversa pública de Chico Pereira com um pré-candidato de oposição, após sua desfiliação da Frente Popular no final do ano passado. O sindicalista não escondeu que vem sendo pressionado a voltar para onde começou.

“Eu estava em Cruzeiro do Sul semana passada quando recebi um telefonema da executiva nacional do PT, pedindo explicações sobre a minha postura. Disse a eles que estava no Juruá fazendo campanha para Rosana Nascimento e Gladson Cameli. E acrescentei que minha decisão não tem volta”, desabafou.

Os charmosos cabelos brancos de Pereira condenam o tempo de lutas. A conversa pausada, olhar de experiência, mãos gesticuladas, conteúdo que revela o desgosto e o quadro de esvaziamento do apoio ao partido em seus redutos históricos. Por ironia do destino, a conversa estava sendo testemunhada por outro pioneiro e ex-petista, o Manoel Suíca.

“Pensei que ia ficar sozinho nesse bote, mas tem muita gente abrindo os olhos e pulando do barco” disse Suíca.

Os militantes acompanharam passo a passo, a extensa agenda de Gladson Cameli, Major Rocha e o senador Sérgio Petecão na Vila do V, Vila do Incra e, no principal reduto do PT na região, a cidade sede de Porto Acre.

O caso emblemático seria repetido por outro historiador, o Adalberto Martins, a quem coube, durante evento no Centro Comunitário, relatar detalhadamente à Gladson Cameli, a história de fundação e constituição de Porto Acre, através de um cenário que assim como o fictício, erguido pela poderosa rede globo durante a minissérie Amazônia – de Galvez a Chico Mendes – encontra-se totalmente abandonado.

“Esqueceram nossa cidade, a história de revolução que permitiu sermos brasileiros” disse Martins durante emocionante relato.

Aos olhos de moradores históricos, alguns produtores rurais da região do Caquetá e militantes, Gladson Cameli arrematou: “O Acre começa aqui, podem ter certeza que vamos nos esforçar ainda mais para ajudar no desenvolvimento de Porto Acre. Aqui tem um povo que luta, que tem fé, isso é uma referência para o nosso estado”, disse Cameli.




sábado, 26 de maio de 2018

Plenárias com a sociedade civil discutirão Plano de Governo da pré-candidatura de Gladson Cameli



Os partidos que apoiam a pré-candidatura do senador Gladson Cameli (Progressistas) ao governo do Acre nas eleições de 2018 pretendem realizar nos meses de junho e julho, plenárias em todo o estado para debater e finalizar em conjunto com a sociedade, as sugestões ao Plano de Governo que vêm sendo discutidas com vários setores da sociedade acreana.

Nesta sexta-feira (25) técnicos e profissionais de várias áreas, entidades representativas, acadêmicos e especialistas em setores estratégicos entregaram ao professor e doutor em economia, Carlito Cavalcante – coordenador dos trabalhos – a proposta inicial que será apresentada à sociedade como projeto alternativo.

“O ciclo de plenárias é uma determinação do pré-candidato Gladson Cameli e irá promover diversas ações para discutir o futuro do nosso estado e fundamentar as diretrizes do Plano. Contamos com a colaboração de mais de 60 profissionais de diversos segmentos e instituições que ajudaram a elaborar a proposta inicial”, disse Cavalcante.

Para o senador Gladson Cameli, o processo construtivo de um estado que objetiva o desenvolvimento requer a contribuição de todos. Ele afirmou que vai formatar seu plano de gestão ouvindo todos, desde Assis Brasil, no Alto Acre a Mâncio Lima no ponto extremo oeste do território brasileiro – região mais ocidental do país.

“O especialista, o professor, a empregada doméstica, o agricultor, o seringueiro, o estudante, acadêmico, enfim, em todas as áreas existe uma esperança de mudança. Cada cidadão tem uma proposta para tornar o Acre mais eficiente. Ouvi-los aumenta a nossa responsabilidade e nosso compromisso”, acrescentou Cameli.
O pré-candidato a vice-governador, Major Rocha, destacou a questão da segurança pública. Conhecedor da área de segurança, Rocha disse que a proposta é debater o principal problema da sociedade, ouvindo o cidadão, analisando o que leva as pessoas a cometerem delitos.

“É preciso estudar os meios. A criminalidade é o “fim”. A educação é o início de uma grande caminhada rumo à paz. Não se resolver esse problema a curto prazo. Uma sociedade mais educada, mais amiga das polícias, será capaz de devolver o brilho nos olhos de nossa juventude”, acrescentou o Major.

O documento apresentado ontem tem oito eixos temáticos. Além da colaboração de técnicos da Universidade Federal do Acre e instituições como SUDAM, Federação da Agricultura e Pecuária, Federação do Comércio, Associação Comercial, a proposta conta com a colaboração do Sindicato dos Engenheiros do Estado do Acre, entre outros.


Área de anexos