Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Saudades de um pai

Eram duas horas da tarde quando ele disse Adeus. Não houve despedidas. Ele nunca gostou de despedidas e talvez por isso tenha partido sem avisar.

Me orgulho do pai que tenho eternamente. Ele foi perfeito na forma de educar.
Hoje pertinho do mar, de quem tanto ele me falava, as lagrimas servem para irrigar a tolerância.

Como o tempo passa.


Conversar com você meu pai, só mesmo através do pensamento. Recontando suas histórias, sua trajetória na Doutrina do Daime, isso tudo tem servido para diminuir a dor que ainda sinto. Tem me servido também para refinar a paciência.

Hoje queria pelo menos sonhar contigo daquele jeito especial que você tem permitido para matarmos a saudade.

Mas se isso não for possível, não tem problema não, você me ensinou a observar o tempo, saber que cada perda tem a sua hora e que nem tudo depende somente da gente.

Saiba onde estiveres que eu te amo infinitamente.

Saudades.

"(...) Até que a velhice chegou
E os ensinos multiplicou
a certeza é que eu vou
mas todos dizem ele deixou (...)

Nenhum comentário: