Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

De ex-pai da criança para atual cara de pau


A tentativa do senador Jorge Viana (PT-AC) de enquadrar a direção nacional do DNIT e anunciar – como Salvador da Pátria – a liberação de recursos para a manutenção da BR 364 demonstra claramente, a estratégia do Palácio Rio Branco, que se ver totalmente acuado com a situação precária que deixou a rodovia.
O senador petista é um da geração que fracassou no projeto de construção a BR 364. Sem nenhuma novidade no conteúdo publicado em sua página de facebook, a ação de Jorge Viana é patética e resume a que o petismo tem se exposto nos últimos dias.
Vejam bem:
O Palácio Rio Branco há duas semanas vem disparando telefonemas para sindicatos rurais, lideranças de bairros e sindicatos organizando o fechamento da rodovia nas cidades ao longo da BR.
Amanhã, o movimento começa por Manoel Urbano e, no sábado, em Tarauacá. O objetivo é repassar para a opinião pública que a BR se encontra dissolvida porque o DNIT deixou de dar manutenção à obra.
Ai, o senador Jorge Viana vai ao DNIT, se reúne com a direção nacional do órgão, faz foto, exige o início imediato das obras e tenta sair deste cenário como “o cara”, o líder de uma batalha em favor do povo do Acre.
Ora, senador, como disse uma ex-ativista da Frente Popular do Acre, a Claudinha, o povo do Acre não é besta e nem bobo.
A escrita pacificadora com pedidos de ação suprapartidária pelo senador Jorge Viana demonstra sua capacidade camaleônica, parece até que o governo Tião Viana está longe dessa ideia de fechamento da rodovia e que ninguém conhece à fundo a história em torno da construção da BR 364 enquanto a gestão desse negócio foi do Estado do Acre, via Deracre.
O que parece incomodar nessa história toda é a perda da Superintendência do DNIT no Acre. Como explicou o senador Sérgio Petecão (PSD-AC), no seu canal exclusivo de entrevistas, a TV Petecão, antes, esse montante de recursos, desembolso de R$ 15 milhões por mês, acontecia através de convênio e caia nos cofres do Estado. 
Acabou a teta, a parada é federal!


Nenhum comentário: