Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.

sexta-feira, 6 de março de 2015

Jornalismo: é preciso abandonar velhas crenças

Lendo a obra de Christofoletti sobre ética e jornalismo, tenho refletivo muito sobre a qualidade do meu trabalho. O autor afirma que “jornalismo não combina com ilusões e mentiras, e credibilidade é fator decisivo de escolha dos consumidores de informação. Se há um pacto de confiança entre emissor e receptor há sustentabilidade para o Jornalismo. Uma vez rompido o pacto, a credibilidade foi abalada”.

Não precisamos tocar piano para saber que jornalismo e credibilidade caminham juntos. Na música composta para homenagear o jornalista Claudeir Beraldo, o compositor afirma que ele [Beraldo] com carinho faz o povo se guiar mais facilmente com sua informação.

Nem precisamos ser especialista para saber que nem todos os jornalistas se guiaram na imparcialidade de Beraldo. Quando se trata de jornalismo político, por exemplo, alguns poucos são brilhantes e revolucionários.

O que temos visto por parte de alguns colunistas políticos no Acre nos últimos dias é ninguém se preocupando com a avaliação que o leitor faz de seus textos todos os dias. Todo mundo vai se virando sem se preocupar qual é a relação possível com a fonte ou até onde ir para conseguir uma manchete.

Em ética no jornalismo, Rogério Christofoletti convida o leitor jornalista a se questionar o tempo todo, para que sua atividade não perca a razão de ser.

Quem me conhece sabe que sou a favor da matéria critica, aprofundada em uma boa pesquisa. Afinal, jornalismo não é etiqueta. Pode ser refletido na grande imprensa ou um blog lido por cinco pessoas. Mesmo assim, faz-se necessário o equilíbrio, bom senso e disposição dos profissionais para refletir sobre o que estão fazendo, o que escrevem a favor ou contra uma pessoa.

Citando novamente Christofoletti, ele diz: “o trabalho jornalístico está subordinado a leis, mas está principalmente apoiado num conjunto de regras – escritas ou não – que funcionam como balizadores que impedem que os profissionais se desviem do caminho e cometam excessos e injustiças”.

Boa reflexão...

Nenhum comentário: